Direção Geral


Diretora Pedagógica:  Ir. Maria Marta

Diretora Administrativa:  Ir. Luciana

Coordenadores - por curso

Coordenadora Geral:  Thereza

Coordenadora Pedagógica (Pré l ao 1º ano):  Carla

Orientadora Educacional (Pré l ao 2º ano):  .

Coordenadora Pedagógica (2º e 3º ano):  Regina

Coordenadora Pedagógica (Matemática) (2º e 3º ano):  Fernanda

Coordenadora Pedagógica (4º e 5º ano):  Teresa

Orientadora Educacional (3º ao 5º ano):  Ir. Suinan

Auxiliar das Coordenações (1º ao 9º ano):  Lidiana

Coordenadora Pedagógica (6º e 9º ano):  Rita

Coordenadora Pedagógica (6º e 9º ano):  .

Coordenadora Pedagógica (Português) (6º ao 9º ano):  Jaqueline

Orientadora Educacional (6º ao 9º ano):  Márcia

Coordenador Pedagógico (1ª à 3ª série):  Carlos

Orientadora Educacional (1ª à 3ª série):  Elaine

Coordenação da Pastoral (Ed. Infantil ao Ensino Médio):  Ir. Solange

Professores

Professores por Nível / Curso com nomes, anos ou séries e disciplinas nas quais atuam.

Educação Infantil
Pré I
Juliana V. turma A
Ana Cláudia turma B
Pré II
Thaís turma A
Marina turma B
Especialistas
Carlos Eduardo Ed. Física Pré I e II
Renato Ed. Musical Pré I e II
Renata F. E. Religioso Pré I e II
Laís Informática Pré I e II

 

Ensino Fundamental l
1º ano
Ana Paula 1º A
Sibele 1º B
Juliana A. 1º C
2º ano
Ana Krause 2º A
Juliana L. 2º B
Mariane 2º C
Luana 2º D
3º ano
Fabianne M 3º A
Luciana R. 3º B
Vanessa 3º C
   
4º ano
Daniela B. 4º A
Juliana F. 4º B
Cíntia A. 4º C
Cíntia O. 4º D
5º ano
Vânia 5º A
Priscilla B. 5º B
Isabel 5º C
Especialistas
Ricardo Ed. Física 2ºs aos 5ºs anos
Ir. Sirley Ens. Religioso 2ºs e 3ºs anos
Ir. Eliana Ens. Religioso 4ºs e 5ºs anos
Mariana Inglês 2ºs aos 5ºs anos
Renato Ed. Musical 1ºs anos e Coral
Melina Ed. Artística 2ºs aos 5ºs anos
Laís Informática 1ºs aos 5ºs anos
Renata F. Ens. Religioso 1ºs anos

 

Ensino Fundamental II - 6º ao 9º ano
Renata Português 6ºs anos
Aina Português (PT1 e PT2) 6º E e 7ºs anos
Débora Português (PT1 e PT2) 8ºs anos
Jaqueline Português (PT1 e PT2) 9ºs anos
Renata Inglês 6ºs e 7ºs anos
Olívia Inglês 8ºs e 9ºs anos
Shirley História 6ºs e 7ºs anos
César História 8ºs e 9ºs anos
Larissa Geografia 6ºs e 7ºs anos
Maria Helena Geografia 8ºs e 9ºs anos
Maíra Ciências 6ºs e 7ºs anos
Ana Ciências 8ºs e 9ºs anos
Vanessa Matemática 2 6ºs e 7ºs anos
Matemática 1 7º ano C
Luciane Matemática 1 6ºs e 7ºs A, B
Maria Regina Matemática 2 8ºs e 9ºs anos
Thereza Maria Matemática 1 8ºs e 9ºs anos
Melina Ed. Artís. 6ºs e 7ºs anos
Rafaela Ed. Artís. 8ºs e 9ºs anos
Carolina Ed. Física 6º aos 9º ano
Ademar Ens. Religioso 6ºs / 7ºs e 8º C
Margareth Ens Religioso 8ºs A e B e 9ºs anos
Maria Natalia Filosofia e Dir. Humanos 6ºs e 7ºs anos
Ética e Cidadania 8ºs e 9ºs anos
Almiro Informática 6ºs e 7ºs anos
Eric Espanhol 6ºs aos 9ºs anos
Ísis Teatro 6ºs aos 9ºs anos
Paulo Banda 6ºs aos 9ºs anos

 

Ensino Médio - 1ª à 3ª série
Fernanda Matemática 1ªs às 3ªs séries
Elaine História 1ªs às 3ªs séries
Camila Física 1ªs às 3ªs séries
Ewerton Filosofia 1ªs e 2ªs séries
Cláudio Geografia 1ªs às 3ªs séries
Márcia Química 1ªs às 3ªs séries
Léa Biologia 1ªs às 3ªs séries
Ariadne Inglês 1ªs às 3ªs séries
Rafaela Ed. Artística 1ªs séries
Cristiane Ed. Física 1ªs às 3ªs séries
Marco Ling. Port./Lit. Br. (Pt1) 1ªs às 3ªs séries
Margareth Est. Homem Contemp. 1ªs às 3ªs séries
Maria Natalia Sociologia 1ªs e 2ªs séries
Amábile Ling. Port. (Pt2) 1ªs às 3ªs séries
Ísis Teatro 1ªs às 3ªs séries
Paulo Banda 1ªs às 3ªs séries

 

Auxiliares

Há diversos setores encarregados de determinadas funções e os auxiliares colaboram com a equipe educativa, direta ou indiretamente, apoiando o processo ensino-aprendizagem.

Os alunos aprendem a se relacionar com os funcionários que ficam na entrada, no pátio, nos corredores, nos departamentos e setores, sendo que faz parte do processo educativo compreender as funções, atribuições e responsabilidades de cada um dentro da comunidade educativa.

Saber como reportar-se e solicitar algum favor ou fazer algum pedido ao funcionário certo facilita o bom andamento escolar.
No item Segurança, veja fotos dos treinamentos da Brigada de Prevenção de Incêndio.

Administrativo e Serviços Gerais

Há uma grande equipe de pessoas encarregadas dos diversos serviços gerais da escola, como limpeza, manutencão e segurança. Cada um em seu setor é um educador e espera-se que os alunos, a partir da convivência com todos, aprendam a respeitar e valorizar cada profissão, cada serviço e cada pessoa.

Todos são convidados a ter postura cidadã com atitudes mais ecológicas, prestando atenção e tendo cuidado com todo tipo de material de uso pessoal e coletivo, evitando desperdício, antes de torná-los lixo, mesmo que possa ser reciclado depois.

Veja em Segurança, as fotos dos Cusos de Treinamentos da Brigada de Prevenção de Incêndio, formada pelos funcionários do Colégio.

Funcionários(as) do Administrativos e de Serviço Gerais do Colégio:

ALINE MARIA
ANA CLAUDIA
ANA CRISTINA
ANA MARIA
ANDREA
ANGELA MARIA
ANGELO
BÁRBARA
BRUNA
CRISTIANE
DAIANE
DIOGO
DOVILHO
EDELY
EDMILSON
FLAVIA
GABRIELLY
GEORGETE
GERALDO
GISELE
HELOISA
JAMILE
JHENIFFER
JOAO CARLOS
JOELLE
KAMYLA
KLEBER
LAIS
LIDIANA
 

 


LILIANE
LUCIA CRISTINA
MARIA APARECIDA B.
MARIA APARECIDA M.
MARIA CLEONICE
MARIA DOS MILAGRES
MARIA EMÍLIA
MARIA NÁDIA
MARIA SILVANEIDE
MARINALVA
MASSUKA
NATHÁLIA
PATRÍCIA
PAULO CESAR
PRISCILA
REGIANE B.
RENATA
RENATA F.
RITA DE CÁSSIA
ROERTO
ROSA
SANDRA
SAUL
SIMONE M.
SOLANGE APARECIDA
SOLANGE P.
SUINAN
TAMIRES
TEREZA CRISTINA
 

 

A Enfermaria

O cuidar em Enfermagem, em uma Instituição Educacional, garante um atendimento adequado nos casos de acidentes e emergência, evita complicações e minimiza o risco de outras lesões. Cabe salientar que os primeiros socorros são prestados em ações preliminares de atendimento de enfermagem, cabendo ao adulto responsável pela criança ou adolescente acompanhar a evolução e o encaminhamento para atendimento de serviços médicos especializados, caso necessário. Nos casos de doença infectocontagiosa, a enfermeira, juntamente com a Unidade Básica de Saúde mais próxima, controla os números de casos e intervém, conforme a necessidade, evitando, assim, a propagação das doenças.

A enfermeira faz um trabalho visando o cuidar e, juntamente com a Orientação Pedagógica, o educar / orientar. Durante o período em que o aluno está no Colégio, caso apresente indisposição, estado febril, dor de cabeça, entre outros, prejudicando dessa forma o seu aproveitamento escolar, os pais ou responsáveis são contatados, para que, no menor tempo possível, dirijam-se à Escola e encaminhem o filho para receber assistência médica adequada.

Atenciosamente, Heloisa - Enfermeira

Texto com dicas aos pais

CRIANÇA DOENTE QUER...
Rosely Sayão

No dia 1° de março de 2011 foi publicado, na Folha de São Paulo, o artigo "Criança doente quer..."
da psicóloga, colunista e escritora Rosely Sayão, texto que, pela sua importância, todos os pais
que têm filhos na escola deveriam tomar conhecimento. Leia-o na íntegra, abaixo:

Além de remédios e cuidados, filhos doentes precisam da serenidade e da paciência dos pais.

PAIS DE CRIANÇAS sempre estão às voltas com doenças de seus filhos. Ora é uma gripe, uma infecção de garganta, febre, tosse, dificuldades respiratórias, dor de barriga, diarreia etc. Ah! E sempre é preciso contar também com pequenos ferimentos, fruto de quedas, tropeços e até de pequenas brigas.

Em toda casa em que há crianças, há sempre uma pequena farmácia: xaropes, antitérmicos, termômetro, inalador, umidificador de ar, gaze, esparadrapo, entre outros medicamentos e apetrechos, têm presença quase obrigatórias nessas casas.

É comum criança pequena perder a fome quando adoece. É que seu organismo precisa de energia para lutar contra a doença e não pode desperdiçá-la com o trabalho digestivo, não é verdade?

Mas uma gostosura feita com pouco açúcar e muito afeto sempre dá uma força extra para a criança.

A criança, quando está doente, precisa de muita, muita atenção e de carinho de seus pais ou parentes queridos. É que, com a doença, por mais simples que ela seja, chegam sensações não muito agradáveis de se conviver. A insegurança, o medo, a sensação de desamparo e a inquietação são algumas.

Se o adulto sente tudo isso nessa hora, por que haveria de ser diferente com os mais novos?

Então, além da visita ao médico de confiança e dos cuidados e remédios que ele prescreve, tudo o que o filho precisa nessa hora é da serenidade dos pais, de sua firmeza ao dar os remédios receitados e de muita, muita paciência deles. Colo: é disso que a criança precisa e quer. Colo conforta, colo alegra, colo energiza a criança debilitada. E quando digo colo não me refiro apenas ao ato de pegar a criança.



Ler uma história para ela, relembrar um episódio engraçado, passar a mão em sua cabeça e até encorajá-la nas piores horas são excelentes remédios - ou melhor, colos - que os pais podem dar a seus filhos como uma ajuda importante em busca da recuperação da criança.

A base do excelente trabalho do grupo "Doutores da Alegria" é exatamente essa.

Mas, e quando os pais trabalham e não podem se ausentar de seus compromissos profissionais? Bem, se a realidade é essa, sempre é possível encontrar maneiras de se fazer presente na vida do filho mesmo na ausência.

Pequenos bilhetes carinhosos deixados com ele, telefonemas rápidos só para desejar melhoras, as refeições preferidas dele deixadas prontas são alguns exemplos. É bom lembrar que a casa, para a criança, representa seus pais, mesmo quando eles lá não estão. Por isso, só o fato de estar em casa já é um conforto.

Hoje, não é em casa que muitas crianças doentes ficam. Elas são levadas para a escola por seus pais. E pasme, caro leitor: algumas mães levam junto com o filho doente a receita médica e os remédios para que os professores deem para a criança. E mais: algumas mães até dizem que precisam que a escola faça isso porque elas próprias não conseguem.

Lugar de criança doente não é na escola! Para a segurança física e emocional dela, convém lembrar.

Quem tem filhos deve saber que uma hora ou outra uma doença sem gravidade vai aparecer. E que isso significa noites mal dormidas, cansaço a mais, dedicação e cuidados especiais e mudança na rotina familiar. Não há como ser diferente.

Essas doenças leves logo passam. Mas a sensação de abandono que a criança doente deixada na escola por seus pais sente pode ficar.



Folha Equilíbrio p. 12. Folha de São Paulo, 1° de março de 2011
Rosely Sayão é psicóloga e autora de "Como Educar Meu Filho?" (Publifolha)

Orientações sobre COVID-19

Protoolos de Segurança para evitar o Coronavírus (COVID-19)

COVID-19: doença causada pelo Coronavírus, denominada Sars-CoV-2, que apresenta um espectro clinico variando
de infecções assintomáticas a quadros graves. A transmissão acontece de uma pessoa infectada para outra ou por contato próximo por
meio de: gotículas de saliva; espirros; tosse; secreções nasais; aperto de mãos e objetos ou superfície contaminadas.
Reforçamos algumas medidas para convivermos de forma harmoniosa, segura e saudável. Siga e respeite os protocolos.

Proteger-se e proteger o outro e defender a Vida! Vacina já e para todos!

Veja outros documentos e comuuicados.

Orientações sobre HPV

Campanha Nacional de Vacinação Contra o Papiloma Vírus Humano (HPV)

Conforme solicitação da Unidade Básica de Saúde Alto de Pinheiros, comunicamos é importante estar em dia com as doses da vacina contra o Papiloma Vírus Humano (HPV) para meninas entre 9 e 13 anos de idade.
Verifiquem a carteira de vacinação de sua filha e, caso não tenha sido vacinada, favor dirigir-se à unidade Básica de Saúde mais próxima à sua residência ou à Unidade que responde pelo Colégio Santa Clara - UBS Alto de Pinheiros, Avenida Queiroz Filho, 313 - Vila Leopoldina. Menores sempre acompanhados dos Pais ou responsáveis.
OBS: Esta campanha de vacinação contra o HPV na rede Pública é destinado a meninas, fica a critério das famílias vacinar os meninos na rede Privada, havendo duvidas é  recomendável buscar orientação médica.

 

Influenza A (H1N1)*

CUIDADOS EM CASO DE GRIPE H1N1

Principais sintomas:

  • Febre com inicio súbito a 39ºC.
  • Dor de cabeça intensa.
  • Calafrios freqüentes.
  • Dores musculares intensa.
  • Ardor nos olhos.

Pedimos que reforcem os cuidados quanto:

  • Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal.
  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente depois de tossir e espirrar.
  • Usar lenço de papel descartável, em caso de tosses ou espirros (proteger a boca e o nariz).
  • Manter o ambiente ventilado.
  • Evitar contato com pessoas doentes.
    Usar garrafa individual para água (evitar bebedouro).
  • Usar álcool gel para higienizar as mãos.

Com essas simples providências, poderemos garantir um ambiente mais saudável.

OBS.: Verifiquem a Carteira de Vacinação de seu filho. Caso não tenha sido vacinado, entrar em contato com o Pediatra, pois é uma doença altamente contagiosa.

* Fonte: Laboratórios Fleuri
Veja mais »

 

Orientações dadas na época da maior crise, em 2009.

Diante do quadro de propagação da gripe A(H1N1) no Estado de São Paulo, o Colégio Santa Clara, seguindo as recomendações do Ministério da Saúde, esclarece que:

1- os professores estão devidamente orientados para que possam auxiliar seus alunos, de maneira prática e cautelosa, nos cuidados de prevenção contra a gripe A;

2- conforme publicação no Diário Oficial do Estado de SP, o aluno que apresentar algum sintoma de gripe ou resfriado deverá procurar orientação médica e permanecer em casa durante o período necessário:

  • a) Estudantes ou funcionários com síndrome gripal (febre acompanhada de tosse ou dor de garganta) devem ser afastados das atividades e permanecer em casa por até sete (07) dias a partir do início dos sintomas, mesmo que haja melhora dos sintomas.
  • b) Se, no 7º dia, os sintomas gripais ainda persistirem, recomenda-se retornar às atividades normais 24 horas após a cessação dos sintomas. Se os sintomas persistirem até o 14º dia, há necessidade de avaliação médica para decisão sobre o afastamento.
  • c) Se, afastado da escola, não participar de atividades extraescolares que envolvam grupos sociais, permanecendo em repouso para adequada recuperação e não sustentar a transmissão da doença. (Informe Técnico Conjunto 3/2009 da Divisão de Serviços de Saude (CVS) e Divisão de Infecção Hospitalar (CVE), publicado no DOE – SP 06/08/09).

3 - superfícies, no interior da escola, que apresentem maior risco de disseminação do vírus, como maçanetas, corrimão, catracas, computadores, etc., serão regularmente higienizadas;

4- os responsáveis devem orientar seus filhos a evitar contato físico (abraços, apertos de mão, beijos) com os colegas, durante esse período. Devem ser evitadas, também, brincadeiras com proximidade corporal, como sempre orientamos;

 

5- os alunos não devem compartilhar objetos de uso pessoal (material escolar, lanches, etc.), pois o vírus da gripe pode ficar na superfície dos mesmos;

6- é fundamental que o aluno cubra, com lenço de papel, a boca e o nariz ao tossir ou espirrar;

7- é importante manter o hábito de lavar bem as mãos com água e sabonete líquido, evitando, também, tocar os olhos, boca e nariz. Após o contato com superfícies que apresentem possibilidade de contaminação, realizar a higienização necessária com gel asséptico;

8- foram instalados recipientes com gel asséptico nos locais de circulação dos alunos e salas de aula;

9- é conveniente que os alunos tragam, para uso individual, gel asséptico e lenço de papel, identificados com o seu nome;

10- haverá disponibilização de máscaras de proteção, na enfermaria da Escola, quando necessário;

11- é aconselhável aos alunos trazerem uma garrafa com água, identificada com seu nome, para uso individual, evitando a transmissão do vírus através dos bebedouros;

12- os alunos deverão ficar agasalhados, pois as janelas e portas ficarão abertas para a circulação de ar;

13- medicamento algum será ministrado aos alunos sem autorização escrita e assinada pelo responsável ou sem a apresentação de receituário médico. Não serão aceitas autorizações via e-mail;

Conjuntivite


CUIDADOS COM A CONJUNTIVITE

A conjuntivite é uma doença que se caracteriza pela inflamação da conjuntiva (membrana que recobre os olhos), causada por agentes tóxicos, alergias, bactérias ou vírus. A conjuntivite viral é altamente contagiosa.
A transmissão se dá de pessoa a pessoa, por meio de contato direto ou objetos contaminados.

Fiquem atentos aos seguintes sintomas:

  • Olhos vermelhos e lacrimejantes;
  • Inchaço nas pálpebras;
  • Intolerância à luz;
  • Visão embaçada;
  • Visão borrada;
  • Secreção esbranquiçada ou amarelada;
  • Sensação de areia ou de ciscos nos olhos;
  • Coceira;

 

Recomendações:

  • Evite aglomerações.
  • Não freqüente piscinas.
  • Lave suas mãos com freqüência, que são veículos importantes para a transmissão.
  • Não coce os olhos.
  • Troque a toalha de rosto ou use de papel para secar as mãos e o rosto.
  • Troque as fronhas do travesseiro diariamente.
  • Lave as mãos antes e depois do uso de colírios ou pomadas.
  • Não use lentes de contato enquanto estiver em tratamento.

    OBS: O doente deverá ficar afastado das atividades escolares até a liberação Médica e a Escola deverá ser comunicada.

Escarlatina

CUIDADOS COM A ESCARLATINA

É uma doença infectocontagiosa aguda, provocada pela bactéria Streptococcus pyogenes, que provoca amigdalite e, portanto exige tratamento antibiótico.
Sua transmissão se dá por gotículas de saliva ou secreção nasal.

Pedimos que fiquem  atentos aos sintomas abaixo:

  • Febre alta;
  • Dor no corpo, na barriga e na cabeça;
  • Dor de garganta;
  • Pontos avermelhados no palato (céu da boca);
  • Pele áspera, a face fica bastante vermelha, mas com palidez em volta dos lábios, a erupção é mais intensa no tronco.
  • A coloração da língua adquire o aspecto de framboesa

 

OBS: O doente deverá ficar afastado das atividades escolares até a liberação Médica e a Escola deverá ser comunicada.

Eritema

CUIDADOS COM A ERITEMA INFECCIOSO

 É uma doença exantemática infecciosa, virótica causada pelo parvovírus B19.
A transmissão se dá de pessoa a pessoa, por meio de contato direto com gotículas de secreções nasofaríngeas (tosse, espirros, etc.) de partículas virais pelo indivíduo infectado. A transmissão indireta mesmo sendo pouco frequente ocorre mediante contato com objetos contaminados com secreções nasofaringeas.

Doença geralmente tem um curso benigno, porém há riscos quando ocorre durante a gestação. No inicio a infecção pode ser assintomática Recomendamos que fiquem atentos aos seguintes sintomas:

  • Febre baixa;
  • Dor de cabeça e no corpo;
  • Mal estar, coceira;
  • Palidez ao redor da boca e manchas em forma de maculopápulas que deixam as bochechas muito vermelhas, em forma de borboleta e depois se espalha pelo corpo.    

  - Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal.
  - Lavar as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente depois de tossir e espirrar.
  - Usar garrafa individual para água (evitar bebedouro).

OBS: O doente deverá ficar afastado das atividades escolares até a liberação Médica e a Escola deverá ser comunicada.

Dengue

CUIDADOS EM RELAÇÃO À DENGUE

Doença transmitida por picada do mosquito infectado (fêmeas), a Dengue manifesta-se de diferentes formas, desde infecções não aparentes até formas hemorrágicas graves.
Recomendamos que fiquem atentos aos seguintes sintomas:

  • Febre alta.
  • Dor nas juntas.
  • Dor de cabeça.
  • Dor atrás dos olhos.
  • Dor muscular.
  • Falta de apetite.
  • Prostração.

Sinais de alerta:

  • Vômitos intensos.
  • Sangramentos.
  • Manchas escuras na pele.
  • Fezes escuras.
  • Dor na barriga.
  • Pele fria e pálida.
  • Tontura.
  • Agitação.

 

Pacientes com dengue ou suspeita da doença, precisam de assistência médica, não recorrer à automedicação, manter repouso e ingerir muito liquido para evitar a desidratação.
É muito importante a participação da comunidade na erradicação de locais com água parada que sirvam como criadouros do mosquito.

Além de Dengue devemos ter os mesmos cuidados quanto à Zika e à Chikungunya. (Para mais informações, acesse os links abaixo)

OBS: Caso apresente febre e 2 dos sintomas citados, procure atendimento médico.

Previna-se: A proliferação do mosquito Aedes aegypti, dar-se-á em ambientes úmidos e água limpa parada. O melhor método para se combater a dengue é:

  • Não acumule lixo e água;
  • Encha de areia os pratos de vasos de plantas;
  • Mantenha a caixa d ‘água e toneis fechados.

> Saiba mais sobre a doença

> Leia mais sobre a Dengue

> Mais informações sobre a doença

> Ministério da Saúde - sobre a Dengue

Sarampo

CUIDADOS EM RELAÇÃO AO SARAMPO

É uma doença infecciosa causada pelo Vírus pertencente ao gênero Morbillivirus, acomete pessoas de qualquer idade, mas se torna especialmente grave em menores de dezoito meses e em adultos.
A transmissão se dá de pessoa a pessoa, por meio das secreções nasofaríngeas expelidas pelo doente ao tossir, espirrar, falar ou respirar. É uma doença facilmente transmissível, pois é disseminada pelo ar.

Recomendamos que fiquem atentos aos seguintes sintomas:

  • Febre alta.
  • Manchas de Koplik (manchas puntiformes brancas e pequenas na parte interna das bochechas).
  • Exantema máculopapular (manchas avermelhados na pele, inicialmente atrás das orelhas).
  • Tosse.
  • Coriza.
  • Conjuntivite.

Solicitamos que verifiquem a Carteira de Vacinação de seu filho que deverá constar a vacina Tríplice Viral ou MMR ou SCR (Sarampo, Caxumba e Rubéola), 1º dose com 12 meses e reforço de 4 a 6 anos.

OBS.:Devido ao contágio a criança deverá comunicar o colégio e retornar ao convívio escolar com autorização médica.
                Gestantes que tiveram contato com o doente deverá ficar afastada e comunicar o médico.

Qualquer dúvida favor entrar em contato com a Vigilância Epidemiológica Lapa/Pinheiros nos telefone: 3078-8271 / 3078-7950 / 3078-8185 ou pelo e-mail: epidemiolapi@gmail.com - Gerente – Patrícia

OBS: Sugerimos que façam a verificação nas carteiras de vacinação, nas quais poderão encontrar 4 formas de notificação/anotação, são elas: TRÍPLICE VIRAL, TRI VIRAL, S.C.R. OU M.M.R.

Leia mais..

Meningite

ATENÇÃO AOS SINTOMAS DA MENINGITE

Em caso de Meningite, cujos sintomas estão abaixo, é necessário procurar imediatamente o médico, para diagnóstico e tratamento. Há dois tipos de Meningite: a Bacteriana e a Viral.
De qualquer modo, é bom ficar atento aos seguintes sintomas:

  • Dor de cabeça constante.
  • Dor no pescoço.
  • Febre.
  • Vômito.
  • Mudança no comportamento (sonolência, dificuldade para acordar etc.)

Febre

CUIDADOS COM A FEBRE

Febre é a elevação anormal da temperatura corpórea, normalmente a temperatura corpórea das crianças pode variar conforme a hora do dia, da seguinte maneira: é mais alta no final da tarde e no inicio da noite e mais baixa durante a madrugada e inicio da manhã.

È importante lembrar que a febre, sozinha, não é uma doença, e sim um sinal e um sintoma de que alguma alteração está ocorrendo no organismo. Existe uma infinidade de motivos que podem levar à febre, desde doenças leves e benignas até moléstias graves. Na imensa maioria das vezes, a febre dá o aviso de que uma doença benigna, que evolui para a cura espontânea.

Existem basicamente duas maneiras de reduzir a febre: a administração de antitérmicos ou o uso de compressas e banhos mornos convém ressaltar que essas duas não se excluem e podem ser utilizadas conjuntamente.

Recomendações:

  • Medicar com antitérmico seguindo a indicação do pediatra em relação à marca e a dose.
  • A criança deverá estar vestida de acordo com a temperatura ambiente, se superagasalhada, a tendência é que a febre se eleve ainda mais; se ficar com pouca roupa, ela sentirá mais desconforto.
  • É importante que a criança tome bastante liquido, a febre aumenta a perda de liquido e pode causar desidratação.
  • A alimentação normal deve ser mantida, mas é importante não forçar a criança a comer, algumas tendem a vomitar, nesses casos devem oferecer uma dieta leve.
  • Banhos mornos.
  • Repouso
OBS.: mantenha a criança em casa sob seus cuidados para melhor recuperação no período de até 24 horas sem febre.

 

Nas Estações do ano

CUIDADOS NO OUTONO E NO INVERNO

Vamos cuidar da nossa saúde!?!

Com as mudanças de estações, em especial com a chegada do Outono e do Inverno, devemos ficar mais atentos aos sintomas das doenças respiratórias, os resfriados e demais doenças contagiosas, como gripe, sarampo, conjuntivite, caxumba, entre outras. 

Algumas recomendações devem ser seguidas para a proteção de todos os que convivem no ambiente escolar, como:

  • Comunicar o Colégio em caso de doenças contagiosas o mais rápido possível. Além disso, enviar atestado médico, para que a ocorrência possa ser comunicada ao órgão de saúde competente.

 

  • Prevenir e evitar ambientes públicos em caso de doenças respiratórias contagiosas.
  • Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal.
  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente depois de tossir e espirrar.
  • Usar lenço de papel descartável, em caso de gripes, tosses ou espirros (proteger a boca e o nariz).
  • Manter o ambiente ventilado.
  • Evitar contato com pessoas doentes.
  • Usar garrafa individual para água (evitar bebedouro).
  • Usar álcool gel para higienizar as mãos.

Em caso de febre, permanecer em casa por 24 horas sem febre.

 

Com essas simples providências, poderemos garantir um ambiente mais saudável

Rubéola

CUIDADOS COM A RUBÉOLA

É uma doença infecciosa causada pelo Vírus pertencente ao gênero Rubivirus.
A transmissão se dá de pessoa a pessoa, por meio de contato direto com gotículas de secreções nasofaríngeas (tosse, espirros, etc.) de partículas virais pelo indivíduo infectado. A transmissão indireta mesmo sendo pouco frequente ocorre mediante contato com objetos contaminados com secreções nasofaringeas, sangue e urina. Doença geralmente tem um curso benigno porem a riscos quando ocorre durante a gestação.
Recomendamos que ficassem atentos aos seguintes sintomas:

  • Dor de cabeça.
  • Dor ao engolir.
  • Dores no corpo (articulações e músculos).
  • Coriza.
  • Febre baixa.
  • Aparecimento de gânglios (ínguas)
  • Tosse.
  • Exantemas (manchas avermelhadas) inicialmente no rosto que depois se espalham pelo corpo todo.

 

Solicitamos que verifiquem a Carteira de Vacinação de seu filho. Caso não tenha sido vacinado, entrar em contato com o Pediatra, pois é uma doença altamente contagiosa.

A rubéola congênita, ou seja, transmitida da mãe para o feto, é a forma mais grave da doença, porque pode provocar malformações como surdez e problemas visuais na criança, caso esteja grávida entrar em contato com o seu médico.

Orientações:

  • Devido ao contágio a criança deverá comunicar o colégio e retornar ao convívio escolar com autorização médica.
  • N ão compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal.
  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente depois de tossir e espirrar.
  • Usar garrafa individual para água (evitar bebedouro).

Varicela ou Catapora

CUIDADOS COM A VARICELA ou CATAPORA

É uma doença infecciosa causada pelo Vírus Varicela - Zoster, uma vez adquirido o vírus a pessoa fica imune por toda a vida porem permanece no organismo e futuramente poderá provocar uma doença conhecida como herpes - zoster ou cobreiro.
A transmissão se dá de pessoa a pessoa, por meio de contato direto com as lesões de pele e por disseminação aérea (tosse, espirros, etc.) de partículas virais pelo indivíduo infectado.
Recomendamos que fiquem  atentos aos seguintes sintomas:

  • Febre.
  • Enjoo.
  • Vômito.
  • Mal- estar
  • Prurido (coceira).
  • Lesões na pele inicialmente Macular (bolinhas vermelhas elevadas), mas rapidamente evolui para pequenas Vesículas (bolhas de conteúdo líquido) que se rompem e dão origem a uma pequena ferida e se dissemina em todo o corpo e que evoluem para crostas (casquinha) até a cicatrização (não coçar as lesões para evitar infecções por bactérias e cicatrizes).

            Solicitamos que verifiquem a Carteira de Vacinação de seu filho. Caso não tenha sido vacinado, entrar em contato com o Pediatra, pois é uma doença altamente contagiosa.

OBS.:

  • Não medique a criança sem orientação médica, a aspirina ou outros medicamentos contendo ácido acetilsalicílico (AAS) é contra indicado.
  • Devido ao contágio a criança deverá comunicar o colégio e retornar ao convívio escolar com autorização médica.

Pediculose

PROBLEMAS COM PIOLHOS

A infestação por piolhos, parasita Pediculus humanus se chama pediculose, é um inseto que se alimenta do sangue das pessoas e reproduz-se com rapidez, transmitido de uma pessoa para a outra, ele se instala no folículo piloso, ou seja, na base do cabelo, onde deposita seus ovos, as lêndeas, fáceis de serem reconhecidas e que se diferem da caspa porque ficam grudadas no pelo.  Quase sempre o problema é detectado pela coceira muito forte que surge, principalmente, na nuca e atrás das orelhas. Ao examinar os cabelos encontram-se firmemente presas aos fios, as lêndeas, que são ovos do parasita esbranquiçados, costumam serem numerosos, os parasitas adultos são mais raros e se parecem com minúsculas aranhas.


Sintomas

  • Coceira intensa no couro cabeludo.
  • Feridas causadas pelo ato de coçar.
  • Marcas visíveis deixadas pelas picadas de insetos.
  • Aparecimento de ínguas e infecções secundárias nos casos mais graves de infestação.

 

Tratamento

  • Loções, xampus e até remédios por via oral conforme solicitação médica.
  • Catação, retirada por meio de pente fino.
  • Manter os cabeços presos.
  • Desinfetar escovas, pentes de cabelo.

Recomendações:

  • Examine com freqüência a cabeça das crianças;
  • Troque e lave com regularidade a roupa de uso pessoal e a de cama;
  • Instrua as crianças para não usarem escovas, pentes de cabelo ou bonés dos colegas;
  • O tratamento da pediculose deve abranger todas as pessoas que convivem no mesmo espaço;
  • A infestação ocorre mais em crianças, principalmente as que freqüentam escolas e estão em contato com outras crianças, não tratar a pediculose pode acarretar mau desempenho escolar por causa da coceira e noites mal dormidas;
OBS.: doente deverá ficar afastado das atividades escolares durante todo o tratamento e a Escola deverá ser comunicada.

Caxumba

SINTOMAS DA CAXUMBA

É uma doença causa pelo Poxvírus, a caxumba (parotidite) é uma infecção da parótida, a glândula que produz saliva e se localiza na frente e abaixo de cada orelha.
A transmissão é principalmente aérea, por meio de gotículas de saliva do doente que possui o vírus (tosse, espirros, etc.).
Recomendamos que fiquem atentos aos seguintes sintomas:

  • Edema (inchaço) na região abaixo da orelha e em um ou nos dois lados do pescoço e dor no local que piora com a movimentação da mandíbula.
  • Febre.

A Caxumba geralmente tem curso benigno e a letalidade é muito baixa na grande maioria das vezes evolui sem complicações ou seqüelas, mas podem ocorrer entre elas inflamação nos testículos e nos ovários, etc..
Solicitamos que verifiquem a Carteira de Vacinação de seu filho que deverá constar a vacina Tríplice Viral ou MMR ou SCR (Sarampo, Caxumba e Rubéola), 1º dose com 12 meses e reforço de 4 a 6 anos.

  • Caso não tenha sido vacinado, entrar em contato com o Pediatra.
OBS.: Devido ao contágio a criança deverá comunicar o colégio e retornar ao convívio escolar com autorização médica.

Roséola

 

A Roséola é uma doença viral caracterizada pela erupção de bolinhas vermelhas de 2 a 3 mm de diâmetro, do tipo máculo-papular. Essas bolinhas surgem por volta do quarto dia da doença após um período de três a cinco dias de febre. A erupção se concentra mais na face, na região do tórax e nos membros e pode durar alguns dias. O período de incubação vai de cinco a quinze dias.

A transmissão se dá de pessoa a pessoa, por meio das secreções nasofaringeas expelidas pelo doente ao tossir, espirrar, falar ou respirar. O período de maior transmissibilidade ocorre 2 dias antes e 2 dias após o inicio do exantema.

Recomendamos que fiquem atentos aos seguintes sintomas:

  • Febre alta.
  • Irritabilidade
  • Exantema máculo-papular (manchas avermelhados na pele).
  • Tosse.
  • Coriza.
  • Conjuntivite.
  • Diminuição do apetite

OBS.: O doente deverá ficar afastado das atividades escolares até a liberação Médica e a Escola deverá ser comunicada.

Primeiros Socorros

Apostila com Orientações de Primeiros Socorros

 

Heloisa (Enfermeira) - Serviço de Enfermagem do Colégio Santa Clara

Segurança

A segurança externa do colégio é terceirizada, de tal forma que os alunos estão em constante observação nos arredores da escola. O controle do acesso ao interior da escola, através de cartão magnético ou biometria, permitindo a entrada e saída dos alunos, pode demorar um pouco, mas é por uma questão de segurança. A entrada das demais pessoas se dá pela Rua Livi, sendo monitorada, permanentemente, por sistema de câmeras, pelos seguranças e funcionários presentes na recepção e demais setores.

Internamente os professores ou funcionários estão em contato permenente com os alunos, encaminhando-os com o máximo de cuidado possível a todas as atividades.

Mesmo assim, cada um deve cuidar do coletivo, zelando por si e estando atento a qualquer situação atípica ou estranha e comunicar os adultos mais próximos. Se necessário os alunos serão encaminhados para ter o atendimento na Orientação Pedagógica ou Educacional, na Enfermaria ou os pais serão comunicados a buscarem os filhos no colégio.

Ao circular pelas ruas nos arredores do colégio ou mesmo perto de casa, todos devem evitar andar sozinhos em determinados horários, ficar parados em locais de pouca circulação, dando chances aos amigos do alheio. Pais e alunos, professores e funcionários, juntos na construção de espaços de convivência social saudável, em vista do bem comum, onde todos possam circular com segurança e tranquilidade, pois a liberdade de ir e vir é um direito de todos, mas exige prudência.

Todos os anos, os funcionários passam por curso, treinamento e simulação, dentro ou fora da escola, como preparação no sentido de prevenir e evitar ou mesmo solucionar possíveis problemas. Veja Galeria com fotos dos últimos anos em que houve o treinamento em segurança, da Brigada de Incêndio.

Confira, abaixo, fotos dos Cursos de Treinamento, com simulação de situação de risco.